Em Marcelim, Cinfães do Douro, está a nascer um novo espaço dedicado à natureza, projecto da APROplan. O Observatório da Natureza de Marcelim é um espaço para a população de Cinfães e para os turistas que visitam a região.

A obra é dedicada à temática da natureza: dois miradouros com vistas panorâmicas sobre o vale do rio Bestança e o rio Douro, de onde é possível apreciar a paisagem da região e observar as aves que aqui habitam. O vale do rio Bestança e a serra de Montemuro são santuários de biodiversidade. Os carvalhais, rios e regatos, em comunhão com o Homem, são aqui a casa de muitas espécies emblemáticas como a toupeira-de-água, várias aves de rapina e a salamandra-lusitanica. Como homenagem à biodiversidade o projecto contará com sinalética personalizada alusiva a algumas das espécies. A Serra de Montemuro integra a Rede natura 2000 sendo também classificada como BIÓTOPO CORINE. A serra integra habitats de considerável valor de conservação, nomeadamente as turfeiras. A biodiversidade existente é em parte resultado quer da posição interior do território, com baixas densidades populacionais, quer da inclinação do terreno, que tornou muito difícil a prática da agricultura e a fixação das populações ao longo dos séculos. Não obstante a Serra de Montemuro e o Vale do Bestança sempre foram um território importante. Este vale era um eixo importante na ligação romana entre Braga e Viseu. A foz do rio Bestança está ligada às rotas comerciais do rio Douro, e aqui se chegaram a instalar algumas famílias de elevado estatuto social. A aldeia de Covelas, próxima da foz do rio Bestança, era chamada por alguns de “aldeia dos 4 ricos”. A serra de Montemuro vem a muita da sua população nas últimas décadas, à semelhança do interior do país.

Marcelim é uma aldeia na serra de Montemuro, localizada no topo de uma colina, sobre o vale do rio Bestança. A serra de Montemuro é um ícone incontornável da natureza no norte de Portugal. Como relata um poema retirado do livro “Marcelim – tradições e costumes de uma aldeia no vale do Bestança”, de Jorge Ventura:

“O lugar de Marcelim
É pequeno mas tem graça
Tem uma fonte fresquinha
Dá de beber a quem lá passa.

O lugar de Marcelim
O lugar do arvoredo
Onde tenho os meus amores
onde o cuco canta cedo.”

A nova obra contará ainda com um anfiteatro naturalizado, para apoio às festas locais e outros eventos. O anfiteatro está actualmente em obra. Abaixo estão algumas das imagens actualizadas da obra.