Aproveitando os espaços de uma casa da melhor forma podem fazer-se coisas fantásticas, como um jardim pequeno. Numa era em que a pressão urbana aumenta exponencialmente nas grandes metrópoles, a necessidade de aproveitar e qualificar os espaços ligados às habitações tem vindo a assumir uma maior relevância, uma vez que são espaços com potencial para o lazer e relaxamento por excelência que permitem um escape ao stress do dia-a-dia, e que contribuem grandemente para a melhoria da qualidade de vida.

Sejam pequenos jardins ou varandas, a aposta na decoração é uma boa maneira de tornar os espaços mais acolhedores e apetecíveis para usufruir das suas tardes e noites de verão em pleno. Embora decorativos, estes elementos podem também ser essenciais na estruturação do jardim. Desta forma um dos primeiros passos, é avaliar o espaço que realmente tem disponível de forma a não o sobrecarregar com decorações. Aqui ficam algumas dicas para ajudar a tirar o melhor partido do seu espaço:

 

Defina o estilo e a palete do cores a utilizar

Pode optar por um espaço mais moderno e minimalista, com uma palete de cores mais neutra ou sóbria dentro dos cinzentos e pastéis, o que ajuda a transmitir uma sensação de espaço mais amplo e sereno, ou então por um espaço mais ‘rústico’ e dinâmico, recorrendo ao contraste de entre cores frias e quentes, o que ajuda a transmitir uma maior sensação de proximidade e aconchego.

Mobiliário

Certifique-se que o tamanho do mobiliário, por exemplo mesas e cadeiras, é proporcional ao espaço e que é funcional. Se tem um jardim pequeno a escolha terá que ser bem efectuada! Avalie se vai tirar mais partido de elementos fixos ou, ao invés, elementos amovíveis/ajustáveis. O mobiliário pode ter mais ou menos destaque dependendo da sua volumetria e cor. Caso utilize mobiliário mais sóbrio pode-se sempre recorrer à sua conjugação com almofadas, individuais de mesa, bases de copos e vasos coloridos com plantas.

Pérgolas

Caso tenha espaço para tal, a utilização de uma pérgola é uma boa opção não só por questões decorativas mas também por questões funcionais, uma vez que esta ajuda a criar a identidade do espaço. Acresce ainda a mais valia de poder posteriormente combinar outros elementos como vasos, luminárias ou vegetação. Além disso pode servir de suporte para a fixação de telas que permitam criar uma zona de sombra para os dias mais quentes de verão.

 

Vasos

Os vasos são óptimos elementos decorativos per se, não só pela grande variedade de cores mas também pela grande variedade de formatos e estilos disponíveis no mercado. Dependendo do estilo do quer para o seu espaço, pode optar por modelos mais sóbrios, com um traçado simples e cores neutras, ou por conjugar diferentes tamanhos e cores que contrastem, mas estejam em harmonia, com os demais elementos decorativos de forma a criar um ambiente único e criativo. Na escolha destes vasos deve ter em especial atenção o tipo de plantas que pretende utilizar e que melhor se adequam, uma vez que o seu porte e necessidades vão ditar o tamanho do vaso. Por isso, caso não tenha experiência, o melhor será optar pela utilização de profissionais para obter melhor funcionalidade.

 

Jardins verticais

Os jardins verticais, normalmente usados em projectos de arquitectura paisagista, são uma excelente forma de tirar partido do espaço em altura, principalmente em espaços muito reduzidos. Uma forma fácil de o recriar é através da utilização de treliças, associadas a plantas trepadoras, ou prateleiras e vasos, muitas vezes associadas com plantas aromáticas e/ou plantas vivazes. Caso tenha disponibilidade pode optar por ajuda especializada na construção de um jardim vertical propriamente dito.

 

Plantas para o seu jardim pequeno

Na escolha da vegetação a utilizar é importante ter em conta o local onde se vão colocar, assim como os vários factores que vão determinar o seu desempenho, estando entre os mais importantes a exposição solar e térmica e as necessidades hídricas. Estas desempenham não só uma função decorativa mas também estrutural no espaço, para além dos benefícios inerentes à saúde e bem-estar. Num jardim pequeno deve-se evitar o uso de plantas grandes sob o risco subaproveitar o espaço. Antes deve recorrer-se à utilização de espécies arbustivas de pequeno, médio porte que ajudem a suavizar o ambiente e das quais se possa tirar partido diário, como é por exemplo o caso das plantas aromáticas ou vivazes.