O que é uma cobertura ajardinada?

O conceito de cobertura ajardinada é cada vez mais comum e aceite como método e opção de construção. Este define-se como sendo o processo de revestimento de telhados e coberturas de edifícios com vegetação, atribuindo às estruturas um leque de funcionalidades extra para além daquelas que habitualmente lhe estão associadas. Nesta tipologia de construção, as telhas, as gravilhas de drenagem, os godos e todas as restantes estruturas usadas no topo dos edifícios para revestimento impeditivo de entrada de água de chuva, auxílio na climatização e diminuição do ruído, são substituídos por estratos de vegetação que se vão desenvolvendo com o tempo, criando um verdadeiro “tapete verde”. Estes “jardins suspensos” são extremamente versáteis no que diz respeito às tipologias de vegetação a utilizar, sendo possível compor espaços desde “campos” coloridos e dinâmicos, a espaços mais monocromáticos e assertivos.

Cobertura Ajardinada

Para que serve uma cobertura ajardinada?

A utilidade das coberturas ajardinadas pode ser bastante abrangente, dependendo do que se pretende do espaço a criar e da infra-estrutura que irá suportar o mesmo.

Um do primeiros factores a ter em consideração é sem dúvida a capacidade de carga da estrutura, pois é essa característica que irá dar margem para a criação de um espaço com utilização em contexto de desenvolvimento de atividades ou que não o permitirá. Na possibilidade de criação de um espaço para utilização, o espaço poderá ter todas as características típicas de um jardim comum no que diz respeito à sua utilidade. Estamos portanto a considerar a inclusão de zonas de circulação e estadia, zonas de recreio ativo e recreio passivo. Nestas situações abrem-se todas as possibilidades para cumprir as necessidades dos utilizadores, cumprindo também paralelamente todas as funções básicas e essenciais de protecção, diminuição da erosão das superfícies do edifício e isolamentos (térmico e acústico). Na impossibilidade de sobrecarregar a estrutura com um número de pessoas considerável, a cobertura ajardinada irá ficar cingida à sua capacidade de revestimento, protecção e isolamento. Nestas situações, a componente estética poderá ser mais aprofundada e abordada como a característica principal, dando margem para a criação de espaços singulares e marcantes.

Jardim rooftop

Qual é a estrutura de uma cobertura ajardinada?

Toda a estrutura que envolve a implantação de uma cobertura ajardinada, dado o elevado grau de exigência no que toca às necessidades de impermeabilização eficiente para que não haja infiltrações que afectem os pisos inferiores, apresenta-se complexa tanto do ponto de vista dos elementos que a compõem como do ponto de vista da execução. A cobertura ajardinada é formada por camadas, sendo que cada uma delas desempenha uma função essencial para o sucesso da instalação, funcionamento e manutenção da mesma. Existem diferentes métodos e diferentes materiais para a execução e desempenho de determinadas funções, no entanto, não passam de meios diferentes para atingir o mesmo objetivo.

Começando pelas camadas inferiores, colada à superfície do edifício aplica-se uma tela impermeabilizante, cujo objetivo é exclusivamente impedir a passagem da água para a face de betão, que resultaria no atravessamento da placa e consequente queda no piso inferior. Imediatamente após a tela impermeabilizante, deverá ser instalada uma tela anti-raiz, que terá como principal objetivo impedir a penetração das raízes mais agressivas na tela impermeabilizante, o que causaria danos de elevada dimensão e consequente inviabilização da impermeabilização eficiente da cobertura. De seguida é colocada uma tela tipo “alveolar”, sendo este elemento já uma consequência do avanço e evolução das coberturas ajardinadas, com objetivo de promover a drenagem de águas quando em excesso e retenção de água quando esta se encontra em quantidades mais reduzidas. Desta forma o sistema radicular das plantas poderá absorvê-la quando necessário. Seguidamente aplica-se uma manta geotextil, garantindo a retenção das partículas mais finas do solo, impedindo a sua erosão e consequente perda, sobre a qual se aplica imediatamente a camada de solo/substrato de plantação, onde ser irá plantar/semear a vegetação pretendida.

Associado e este sistema de telas e camadas está também um complexo sistema de tubagem para recolha e condução de águas resultantes da drenagem e um sistema de rega devidamente dimensionado para a vegetação a instalar e áreas a regar.